BEDA #16 : Opinião | Between Shades of Gray de Ruta Sepetys


(Lido em inglês) 
Autor(a): Ruta Sepetys
Editora: Penguin Books 

Um livro que li para o projeto #hol72 no mês de Fevereiro e era um livro que já queria ler algum tempo, não só por ser um livro com a temática da Segunda Guerra Mundial, que gosto muito, mas também porque é um livro com ótimas opiniões. 

A acção da história passa-se na Segunda Guerra Mundial, mas falando da União Soviética, quando invadiu os países bálticos e o NKVD (mais tarde conhecido como o KGB) deportaram imensas pessoas consideradas anti-soviéticas, por serem cultas e inteligentes. 
Neste livro conhecemos a história de uma família lituana, onde Lina Vilkas, uma menina de 15 anos narra o que a sua família teve de viver após uma noite serem capturados da sua casa, com a roupa que tinham no corpo e apenas uma mala que tiveram só 20 minutos para colocarem tudo o que poderia ser necessário para sobreviver. Um livro que retrata a inocência de crianças, como Lina, que estavam a ser deportadas sem saberem o porquê, só sabiam que estavam numa lista, mas desconheciam o significado dela. 

"Vocês algum dia já pensaram o quanto vale a vida de uma pessoa? Naquela manhã, a vida do meu irmão custou um relógio de bolso" (pág. 27)


Como muitas famílias, Lina foi deportada com a mãe e o irmão mais novo para um campo de trabalhos, na Sibéria, e foram condenados a 25 anos de trabalhos forçados. Uma família que vive na miséria, passa humilhações, fome e enfrenta diversas doenças, mas que sempre tenta não perder a esperança, com uma mãe incrível, sempre prestativa e com uma enorme compaixão para com todos, pois "é preciso defender o que é certo sem esperar gratidão nem recompensa" (pág.9)
O pai de Lina, professor, foi separado da família e levado para um campo de concentração. É uma personagem que aparece poucas vezes, a não ser nos flashbacks do passado, mas é sempre referido pela família e é na esperança de estarem novamente juntos que reside a determinação destas três personagens. Lina, sendo apaixonada pelas artes, vai tentar comunicar com o pai através dos seus desenhos, fazendo-os passar de mãos em mãos, para que estes cheguem ao campo de concentração onde o seu pai se encontra e lhe transmitam que a sua família ainda está viva. 
Lina faz amigos e acaba por encontrar o amor em Andrius, uma menino fantástico e cheio de coragem, mas acabam por ser separados também, quando a família de Lina é mandada para o outro lado do mundo, Trofimovsk, um sítio longínquo que pouca gente conhece. 

"Na Sibéria só havia dois desfechos possíveis. Sucesso significava sobrevivência. Fracasso significava morte. Eu queria sobreviver." (pág. 319)

Gostei de todas a personagens, que no decorrer da história nos enchem o coração pela sua coragem, bondade, fé e pelo espírito de partilha. Personagens que nos demonstram um crescimento ao longo do livro, personagens reais, com bons e maus momentos, que lutam pelos seus, mas que também têm sentimentos como o egoísmo e o ódio. Mesmo os soldados, que para todos nós são pessoas sem coração, a autora consegue-nos por a pensar que nem todos fizeram o que fizeram porque quiseram! Mas aquela personagem que me marcou foi a mãe de Lina, a Elena, que mulher!! Uma mulher que luta todos os dias pelos seus filhos, nunca desiste e principalmente não deixa os outros desistirem. Uma mulher que tenta sempre manter os pensamentos positivos, mesmo nas condições mais adversas...tal como eu gosto, uma personagem feminina forte! 

A escrita no livro é bem simples, tal como a narrativa pede, pois é uma criança que nos conta...E com capítulos bem curtos, faz com que viremos as páginas facilmente. Sendo um livro que retrata actos da Segunda Guerra Mundial, é um livro intenso, mas que se lê muito bem! No final ficamos a saber que a autora conviveu com sobreviventes deste período negro da história mundial, por isso nos parecer tão real. 

"No meio do inverno, descobri que em mim existia um verão invencível" - Albert Camus (pág. 339)

Por fim, quero dizer que não dou as 5* bem redondas a este livro, porque tinha lido recentemente O Rouxinol (opinião aqui), e não consegui deixar de comparar, mesmo a história não ser nada parecida. Mas achei O Rouxinol bem superior, talvez por ser mesmo uma criança a narrar a história...a Lina nem sempre me conseguiu transmitir os seus sentimentos, o seu amor, o seu medo e a sua dor!! Mas claro que recomendo muito a sua leitura!!

PONTUAÇÃO:

Já leram este livro? Qual é a vossa opinião? Digam nos comentários.

Boas leituras!




2 comentários :