Opinião | O Rouxinol de Kristin Hannah


Título: O Rouxinol 
Autor: Kristin Hannah 
Editora: Bertrand Editora

Li este livro no mês passado para o projeto de Leituras do Holocausto 2. E vou começar por dizer que foi a minha leitura favorita do mês. 

A acção deste livro passa-se na Segunda Guerra Mundial, quando as tropas alemãs invadiram a França. E através dele conseguimos perceber muito bem tudo o que foi vivido pela população francesa, mas este livro retrata a guerra noutra perspectiva, ele dá a conhecer ao leitor o papel das mulheres e a sua importância. Temos duas protagonistas femininas bem fortes e bem diferentes. A Vianne que luta para manter a família unida enquanto espera pelo regresso do marido e é obrigada a receber as tropas de Hitler dentro da sua própria casa. E a sua irmã mais nova, a Isabelle que conspira contra os alemães e junta-se aos Rebeldes para salvar outras pessoas e provando como uma mulher pode ser forte e poderosa, mesmo num cenário de fome e morte. Na minha opinião, a autora conseguiu juntar num livro um período histórico doloroso e a história de duas mulheres que fazem de tudo pelos que amam e pelos seus ideais. 

O que gostei mais neste livro foi, sem dúvida, a importância que a autora deu às mulheres neste livro. As mulheres deste livro são fantásticas e estão muito bem construídas. A Isabelle é uma personagem que nos encanta pela sua personalidade irreverente e rebeldia do início ao fim do livro. Num período em que as mulheres não eram notadas, fez de tudo para provar o seu valor...ela salva vidas colocando sempre a sua vida em risco. Já a Vianne é uma personagem cheia de camadas que ao longo do livro vai-nos mostrando que não é uma mulher fraca, como nos parece no início, mas sim uma mulher cheia de força. Através dela vemos como foi duro para as mulheres que ficaram sem os seus maridos e tiveram que cuidar sozinhas dos filhos, de enfrentar todos os dias as longas filas de racionamento de comida para, muitas das vezes, nada levarem para casa. E ainda ter que aguentar os olhares de militares sem quaisquer escrúpulos. As partes que me mais emocionei neste livro foram a maioria nos relatos desta personagem. A autora construiu muito bem a personalidade de cada uma delas e mesmo as crianças estão muito bem construídas. 


"Se há uma coisa que aprendi nesta minha longa vida foi o seguinte: no amor, nós descobrimos quem desejamos ser; na guerra, descobrimos quem somos." (pág. 11)


Neste livro temos ainda uma bela história de amor entre Isabelle e Gaëtan. E ainda temos umas pequenas partes do presente de uma das irmãs, mas não sabemos qual! Mistério que é desvendado no final do livro. Destaco a escrita fantástica da autora, muito visual, em certas situações conseguimos ver e sentir o que está a acontecer às personagens. A leitura flui muito bem! Não há partes arrastadas neste livro, pelo contrário está sempre a acontecer algo. É sem qualquer dúvida um livro que vai ficar na minha lista de favoritos! 

"As feridas saram. O amor perdura. Nós permanecemos." (pág. 500) 

Recomendo este livro para quem gosta da temática da Segunda Guerra Mundial e de livros com personagens femininas fortes.

Pontuação:

Vídeo de opinião:


Boas leituras!!

Sem comentários :

Enviar um comentário